O NATAL DE MARIANA


A história que vou contar me foi contada há alguns anos atrás por um amigo que dedicou e ainda dedica a sua vida pela vida do próximo.
Padre Toninho, obrigado por compartilhar comigo este linda historia.....

Tive o prazer em conhecer Padre Toninho aqui na nossa cidade e todo final ano nos encontramos e ele nos premia com sua presença em nossa festa de encerramento quando nos dá uma santa benção de Natal.

A história que vou contar abaixo foi postada pois achei que poderia postá-la aqui neste bloog neste Natal, para que mais pessoas pudessem lê-la e também sentir um pouco mais próximo a presença Daquele que comemoramos o aniversário neste mês de Dezembro.

A história se passou num Hospital público em S.Paulo, na época em que ele lá servia como padre, e na sua humildade e solidariedade, havia justamente escolhido a área de soropositivos do hospital, e como me disse, era ali que poderia levar uma palavra amiga a muitos daqueles que tinham tão somente alguns minutos de vida nesta terra.
Sofrimento e dor, lágrimas e paixões, arrependimentos, choros e perdão era a rotina enfrentada por ele no dia a dia.
Dentre tantas histórias de vida, uma delas ele nunca esqueceu, a história da Mariana.

A Mariana havia nascido de pais soropositivos, e seu pai nunca ninguém soube quem era.
Sua mãe, na pobreza e na humildade que tornam todas as mães Santas, deu a luz naquele hospital a uma linda menina e logo depois, também partiu para junto de Deus, deixando Mariana no hospital ainda muito pequena, porém cheia de vida.

Olhos escuros, olhar aguçado, queria ver todos e virando seus olhinhos pretos e procurava entender o que se passava ao redor daquele berçário cheio de crianças cheias de vida e que a todo instante, eram abraçadas e levadas pelos seus pais com alegria.

Através dos vidros que isolavam o berçário, aquelas crianças eram observadas por seus pais que dias depois, vinham buscá-las sempre com festa e sorrisos.
Menos a Mariana, que ia ficando e ficando, afinal, quem viria buscá-la se não existia ninguém neste mundo que a conhecesse?

O Hospital, por regra não permitia que recén nascidos permanecessem por mais tempo do que o necessário na internação, mas onde levar Mariana?
Ela não poderia ser simplesmente enviada a um órgão publico para adoção, afinal, ela sendo também soropositiva seria muito mais difícil e penosa sua adoção.
O que fazer então com Mariana?
Sem solução á vista e contrariando as regras, ela foi adotada por todos os funcionários do hospital.
De manhã, ficava junto as arrumadeiras, que a levavam de quarto em quarto, davam banho, comida, á tarde era vez das cozinheiras e pessoal da limpeza, á noite era vez das enermeidas . Comia e dormia sempre em lugares diferentes, era cuidada como ninguém e recebia um amor imenso de todos os funcionários daquele hospital.
Por longos 3 anos, ela foi mantida no hospital sem que ninguém soubesse.
Era amada, cuidada, e recebia de todos tudo aquilo que sua mãe não conseguiu dar a ela em vida.
Era noite de Natal.....
Como sempre, uma missa de Natal era celebrada na capela do hospital.
Missa concorrida, os internados faziam fila para entrar e receber a benção de Natal, que sempre era dada ao final da cerimônia com o Menino Jesus na manjedoura.
E naquela noite, a capela estava lotada, gente e mais gente se acumulava entre bancos e corredores, gente em pé e até sentadas no chão.

O bispo, rezou uma missa linda e todos aguardavam ansiosos a benção de Natal.
Mas, cadê o Menino Jesus na manjedoura? Onde está o menino Jesus que aqui estava?
Por um mistério que ninguém conseguia explicar, o Menino Jesus havia desaparecido da manjedoura e, sem ele, como dar a benção ao povo que aguardava?
E ai alguém se lembrou da Mariana.
Sim !!! a Mariana, por que não?
Ela seria o Menino Jesus na manjedoura naquela noite especial de Natal. Ela seria a benção de Deus a todos os presentes.
Rapidamente começaram a procurar a Mariana e rapidamente lá estava ela, deitada na manjedoura.
Com seus olhinhos pretos, olhava para todos os lados, feliz da vida por lá estar.
O bispo, erguendo a manjedoura com a Mariana dentro, deu a benção ao povo.
E foi a benção mais linda que haviam recebido em todos aqueles anos.
Ao baixar a manjedoura, Mariana lá estava.
Seu corpinho, imóvel, já sem vida.
Naquele exato instante da benção de Natal em que a manjedoura era erguida, Mariana subia aos céus.......


Que neste Natal de 2007, tenhamos no coração o amor e o perdão como símbolos máximos de nossas festas.
E que a Mariana possa nos abençoar também, afinal, um dia ela substituiu o próprio menino Jesus aqui na terra e, hoje, está ao lado Dele lá no céu.

Feliz Natal !!

S.Pires
Dezembro de 07

Comentários