DUAS RODAS E DOIS OCEANOS

VIAGEM DE MOTOCICLETA DOIS OCEANOS - DO ATLÂNTICO AO PACÍFICO


Viajar de moto é uma delícia, principalmente quando se consegue conciliar alguns coisas. Uma delas, é o mais difícil hoje em dia, que é o tempo livre. Depois, não tão fácil, amigos que comungam o mesmo pensamento e gosto pelas estradas. Um bom projeto em mãos, um bom equipamento e finalmente um bom planejamento compõe os ingredientes para que a viagem possa se tornar realidade.
Ah, tem também o propósito da viagem, muito importante que haja um mote para viajar.
Nesta aventura aqui resumida, o propósito surgiu da idéia de misturar as aguas dos 2 oceanos. Atlântico e Pacífico.
A idéia seria ir até Iquique, cidade situada no extremo norte do litoral chileno, colher as águas do Pacífico, e trazer de volta até Itapema SC onde seriam despejadas no Atlântico, misturando assim as águas dos 2 oceanos, numa simbólica homenagem a toda grandeza e beleza que existe no mundo.
Bem, propósito mais do que aceito pelo grupo.
Seriam 5 motos grandes, sendo 4 Honda Gold Wing 1800 CC e 1 HD Electra Ultra Glide.
Evangelista e Cesar viriam de Florianópolis, Eu, Alfredo e Décio, todos com as esposas partindo de Blumenau.
Como é bom planejar uma viagem. Tudo vai se formando, tomando jeito, preparativos tanto da moto como dos pilotos, mapas, GPS, roupas.
Partimos de Blumenau em Março de 2013 bem cedo, com 640 km pela frente até Dionisio Cerqueira, nosso primeiro pouso. Viagem tranquila no primeiro dia.
O primeiro dia é diferente de todos. Ainda tensos com a ansiedade da partida, ajustes na condução do percurso, mas em um grupo experiente como o nosso, isto rapidamente é ajustado e a viagem corre muito bem dali pra frente.


Fizemos a aduana em Bernardo de Irigoyen com os cuidados necessários nos carimbos e documentos da moto e rapidamente partimos rumo a Corrientes. Após 640 km percorridos, chegamos ainda de dia, num belo hotel cassino para o descanso.
No terceiro dia, o desafio de atravessar o Pampa de Los Infiernos, região inóspita do Chaco Argentino onde a temperatura chega fácil fácil aos 50oC durante o dia tendo como destino a cidade de Salta a 840 km. De Corrientes a Salta não há praticamente nenhuma curva acentuada, e um retão só, calor fortíssimo e um cuidado muito grande para não ficar sem gasolina no percurso.

Salta é uma linda cidade, uma das mais antigas da Argentina com imponente catedral e uma história interessante pelo fato de ter sido destruída por um terromoto no século XVII, tendo resistido somente a catedral. Ficamos 2 dias para conhecer a cidade e dar um refresco antes de enfrentar o Deserto do Atacama, onde o destinos seria Calama, já no Chile com 700 km e duas aduanas pela frente.
Saímos bem cedo de Salta, e devagarinho o prumo direcionado para as Cordilheiras dos Andes com a subida mais forte pelos Caracoles Chilenos onde atingimos o pico de 4.770 m de altura.
A partir dali, seriam horas pilotando na mais linda estrada que já andei até hoje. Simplesmente maravilhosa, se pilota o tempo todo a mais de 3.000 m, com paisagens de tirar o folego. San Pedro de Atacama se aproximando, mais 100 km e estávamos aportando no luxuoso e confortável hotel Oásis em Calama.



Iquique


Noite bem dormida, no dia seguinte teríamos apenas 388 km até Iquique, nosso destino final onde chegamos ainda para o almoço, que teríamos o prazer de compartilhar com um casal
motociclista amigo do grupo que vivem e trabalham na cidade.
Iquique é muito bonita, excelentes restaurantes com frutos do mar e vistas lindas do Pacífico.
A coleta da água foi um acontecimento esperado e ali teríamos cumprido metade da missão.




Na volta, curtimos muito o deserto do atacama, Salta novamente e no dia seguinte, rodamos 1.020 km até Santa Fé, onde chegamos no final da tarde com direito a cassino e um exelente jantar.
No penúltimo dia, aduana em Uruguaiana e logo após a entrada no Brasil, o grupo se dividiu, onde Alexandre e Cesar por compromissos vieram direto a Florianópolis e o resto do grupo, destino a Rivera no Uruguai onde ficamos no novíssimo hotel cassino havia recém inaugurado, neste dia rodamos 700 km.
Dia seguinte, compras em Rivera, saímos a tarde para um tiro de 350 km até Pelotas onde pernoitamos a ultima noite.
No ultimo dia, 830 km até Blumenau com a água colhida no Pacífico na mala e muitas historias e paisagens fantásticas na cabeça.
Passados alguns dias, cumprimos a promessa de misturar as águas no Atlântico, finalizando assim mais uma viagem espetacular em duas rodas.
Viajar de moto é muito bom.
Requer um certo planejamento, mas também permite que se tenha um sentimento diferente da natureza, das paisagens, do vento, da chuva enfim, não há nada comparável a isto.

Da esquerda para a direita: Alfredo/Gianna, Alexandre, Cesar, S.Pires/Celise, Decio/Néia e o casal chileno Ruben/Stefane.

Aqui, os 2 momentos das águas sendo a coleta no Pacífico em Iquique- Chile e 
a mistura com o Atlântico em Itapema - Brasil



Valeu pessoal
Viagem nota 1000!!

S.Pires
Blumenau 2013

Comentários