A HISTORIA DO SABRE, DO CHAMPAGNE FRANCES E DOS 3 FINAIS















A história (REAL) que vou contar talvez seja a única neste Blog em que cada um dos personagens escreveu um final diferente, dando a sua versão para o fato ocorrido.....
Era festa de aniversário do Junior, nosso querido PHD Korb, aqui de Blumenau.
Fiquei sabendo que um dos presentes que ele iria ganhar seria um Sabre, e que fora especialmente comprado pelo PHD Chico e guardado a 7 chaves, esperando a data para ser oferecido de presente.

O Jr sempre tivera verdadeira paixão por ver o Chico abrir champagnes usando um sabre. Em sua casa, como não tinha ainda o instrumento, Jr utilizava as costas de um antigo facão para abrir suas champagnes, coisa de doido.

Eu então, sabendo que ele iria ganhar o sabre, com direito a estojo e tudo, pensei: ele tem de estrear este sabre em alto estilo. Nada de espumantes nacionais, nada de falsos champagnes, que nada, teria de ser um legítimo Champagne Francês, e dos bons.
E lá fui eu e comprei um francês, paguei uma puta nota pela garrafa e lá chegando, sem ninguém ver, botei no freezer da casa do Jr.

Conversa vai, conversa vem, chegou a hora da entrega do SABRE.
Fui então ao freezer e de lá tirei a garrafa francesa, geladinha.
Jr, disse o PHD Chico, comprei este Sabre há meses atrás e agora o passo em suas mãos, para que possa abrir suas champagnes em alto estilo...

E Eu, já de posse da francesa gelada em minhas mãos, emendei: Jr, esta aqui é para você estrear seu novo SABRE....
Emoção, quase uma comoção...
Jr, emocionadíssimo e orgulhoso, toma o rumo do quintal, com todos os convivas atrás dele para ver a estréia. Taças na mão, olhares fixos no Jr, no Sabre e principalmente na Francesa gelada.
Jr então prepara a garrafa, analisa o melhor ângulo, vê a direção do vento, chuta o cachorro para o lado, olha se não tem ninguém entre ele e tudo mais que consegue enxergar á frente e .... pááááá.....dispara o golpe mortal no gargalo da francesa, que solta aquele som gostoso, inconfundível e libera toda a pressão das bolhas que por anos ficaram aprisionadas naquela bela garrafa escura aguardando para ser degustada.
Você deve estar querendo saber os 3 finais desta história não está?

Então, lá vão os 3 finais, todos verdadeiros pois foram escritos com base nos fatos ocorridos:

Final 1: E lá se foi uma garrafa de champagne francesa estourada ao meio, vidro prá todo lado, uma dúzia de pessoas paradas com as taças na mão e olhando fixamente o precioso líquido, que escorria entre as mãos do Jr e tomava rumo ignorado através de um ralo, estratégicamente localizado sob os pés do anfitrião. .... pelo autor.

Final 2: Depois do inusitado, reuni os convidados e por unanimidade, resolvemos não entregar o Sabre ao Jr, pois ficamos imaginando o que ele faria com a sua família de posse de tal instrumento. O voto minerva foi da Kátia, mulher do Jr, que queria de fato, usar o Sabre para cortar o pescoço dele. “Onde já se viu quebrar uma garrafa destas, dizia ela sem parar”. .... pelo PHD Chico.

Final 3: “Juntam-se o cacos, mas não perde-se a amizade”. Continuamos todos cada vez mais unidos e festejando (com Sidra e sem Sabre) nossos momentos de alegrias. .... pelo PHD Korb, o Jr.



S.Pires
Blumenau, Abril de 2008.

 

Comentários